segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Especial 70 anos da Jufem





Neste sábado à tarde, a Jufem de Londrina teve um dia muito especial. Houve uma reunião na casa da Carol e Esther Audibert, onde as meninas puderam ouvir depoimentos de três gerações de lírios e conhecer um pouco mais da história do nosso ramo. Eu participei desse encontro e passo aqui para vocês um pouco do que ficamos sabendo. Agora conheça você também um pouco mais das histórias de Tereza, Ana Maria e Patrícia.
O primeiro depoimento é de Dona Tereza, uma das pioneiras da Juventude Feminina! Amanhã teremos de Ana Maria (geração dos jubileu de ouro da Jufem) e Patrícia (geração da descoberta do ideal nacional).


Boa leitura!


Pauline 

Dona Tereza conta a sua história
Dona Tereza: “Nós passamos! Agora são vocês!”

Dona Tereza começa assim nosso bate-papo, refletindo sobre a responsabilidade de ser Jufem, assumir-se como tal e o quanto isso é bonito. A senhora de fala vívida e embebida de fé conta a primeira vez que conheceu o Santuário: “nós fomos brincar no cemitério e na volta passamos por lá”. Aquilo marcou tanto que na mesma semana, decidida a estudar no Colégio Mãe de Deus, foi procurar uma irmã e revelou seu desejo. A religiosa deu uma gargalhada e disse que primeiro a mãe de Dona Tereza tinha que matriculá-la.
A brincadeira se tornou algo sério e ela nunca mais conseguiu ficar longe da Mãe de Deus. Tereza faz parte dos primeiros grupos que se formaram dentro da Juventude Feminina, no início da década de 1960, em uma época muito difícil para Schoenstatt, na qual o Padre Kentenich estava no exílio e o movimento era perseguido, vivia-se a chamada “fase das catacumbas”.
O grupo de Tereza tinha 12 meninas, em que cada uma representava um apóstolo, segundo as suas características. Perto dos 16 anos, consagrou-se pela primeira vez, fortemente influenciada pela assessora irmã Ruth, pessoa muito profunda que inspirava o grupo. E como essas meninas precisavam disso para vencer as dificuldades!
     Em uma época de tensão para o movimento, a Juventude Nova (como eram denominadas) viu a repressão de Schoenstatt de perto. Tereza diz: “eu me lembro quando foram explicar para a gente que não era mais para ajoelhar na capelinha porque o Santíssimo havia sido tirado de lá”. Também conta que as jovens não podiam cantar no Coral Santa Cecília (da Catedral) porque eram de Schoenstatt.
            Mas a Família de Londrina venceu esse período sendo muito unida! Foi nessa época que começaram as promoções para a construção da casa. Dona Tereza lembra do entusiasmo de uma pessoa em particular da Liga das Famílias - Francisco Ziober, herói de Schoenstatt. Ela conta que em um bazar, Ziober se mostrava alegre e trabalhador, ninguém desconfiava que ele estava doente, e morreria poucos dias antes de fazer sua Carta Branca. O ideal pessoal daquele homem mostrava muito bem a representação que Dona Tereza faz: “Servir a Maria”!
           A história de dona Tereza é inspiradora e a atual Jufem ficou encantada por saber que ela não conviveu apenas com um herói – Francisco Ziober -, mas dois! Ela é da mesma geração de Regininha! Para Dona Tereza é Regina, uma menina tímida, que gostava muito de escrever bilhetes e fazer anotações. Ela diz que fica muito emocionada ao lembrar de nossa heroína e diz que as pessoas santas são as caladas. Regininha se mostrava grande justamente por sua humildade e pela sua servidão. “Até mesmo a sandália que ela usava era diferente por causa de um problema de saúde, mas isso nunca ninguém ficou sabendo porque ele era extremamente reservada”, explica.
            A história de dona Tereza em Schoenstatt não acaba com a Juventude Feminina! Desde 1992, ela faz parte da Liga das Mães e conta que a Mãe de Deus é o centro de sua família! É Ela que moldou a firmeza na religiosidade e no papel de mãe. Sua mensagem é: perseverem, acreditem que todas têm uma grande missão e nunca se esqueçam da vida de oração.


3 comentários:

Caroline disse...

Gente, que momento mais rico e lindo!!
Fiquei muito feliz com a participação de todas e muito agradecidas às pessoas das gerações passadas que puderam estar conosco!!
Foi inesquecível!! rsrs

bjos

Karina disse...

Foi muito rico mesmo!!
Muita historia aii enh!!!
Momento unico... adorei!!!

Karina

Flávia disse...

Foi realmente um momento único... Nos deixa mais feliz de estar participando da Jufem...

O que você quer ver no blog?

Visualizações

Jumas Brasil

Text

Tecnologia do Blogger.

Seguidores